Veja os temas que estarão em alta nas eleições de 2022

Veja os temas que estarão em alta nas eleições de 2022

A situação econômica do país promete estar no centro do debate presidencial das eleições de 2022. Especialistas e analistas ouvidos pela Gazeta do Povo acreditam que a alta inflação, o desemprego e a consequente perda do poder aquisitivo dos cidadãos são os temas que, no momento, mais preocupam os brasileiros. Se os índices econômicos não melhorarem, a tendência é que o eleitor dê mais relevância à agenda econômica na hora de escolher seu candidato no ano que vem. Mas outros assuntos também têm potencial para movimentar o pleito no ano que vem.

1. Saúde e pandemia
Embora as preocupações do brasileiro com a saúde e a pandemia de Covid-19 tenham diminuído ao longo de 2021, devido à melhora da situação epidemiológica, o tema continua sendo um dos mais importantes para os eleitores.

O Instituto Paraná Pesquisas, por exemplo, informou em novembro que 17% dos entrevistados em um levantamento nacional acreditam que o tema precisa ser tratado como prioridade pelo governo. Em dezembro, uma pesquisa de opinião encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT/MDA), apontou a gestão da saúde e da pandemia como segundo tema mais importante de ser discutido durante as eleições para que se possa definir o voto – 38% dos eleitores entrevistados citaram esse tópico. O mais citado foi melhoria da economia e desemprego.

Historicamente, a saúde está no topo da lista das preocupações dos brasileiros. Em 2018, por exemplo, o tema foi apontado como principal problema do país em quase todos os estados, segundo pesquisa do Ibope. Em tempos de pandemia, isso não seria diferente.

Os candidatos da oposição tendem a explorar o tema para criticar o presidente Bolsonaro. Acusações feitas durante a CPI da Covid no Senado podem ser relembradas, como a de crime contra a humanidade, crime de epidemia e charlatanismo. A seu favor, Bolsonaro tem a mostrar um alto índice de vacinação no Brasil, maior do que em países desenvolvidos – embora João Doria, governador de São Paulo, seja o pré-candidato que assumiu o papel de defensor nacional da vacina contra a Covid-19.

A discussão de políticas públicas para preparação contra uma pandemia futura deverá estar presente nos debates e nos planos de governo dos candidatos. Além disso, novas ondas de Covid-19, como as que estão ocorrendo na Europa, também podem afetar o Brasil e, por consequência, as eleições.

2. Inflação, crescimento econômico e desemprego
A pandemia e as restrições de circulação afetaram a economia mundial. No Brasil, isso está sendo sentido principalmente na inflação, no desemprego e no aumento da pobreza, três assuntos que devem dominar as eleições do ano que vem, segundo analistas e diretores de institutos de pesquisas ouvidos pela Gazeta do Povo.

Neste momento, a economia é o tema que mais aflige os brasileiros. De acordo com pesquisa da Genial/Quaest, em julho ela era considerada o principal problema do país por 28% dos brasileiros. Em dezembro, o número saltou para 41%, com especial preocupação com o crescimento econômico, inflação e desemprego. A maioria acredita que a situação econômica do país vai continuar parecida ao longo de 2022 ou que vai piorar e considera que houve um aprofundamento da desigualdade social.

Se os indicadores continuarem ruins e a previsão de uma estagnação no crescimento do PIB do ano que vem se confirmar, o tema tende a ser o mais importante nas eleições de 2022.

Já prevendo isso, alguns pré-candidatos estão se preparando para apresentar propostas nesta área, como é o caso de Ciro Gomes (PDT), Sergio Moro (Podemos) e o tucano João Doria.

Cila Schulman, vice-presidente do Instituto de Pesquisa Ideia, acredita que o tema econômico será um componente tão relevante para as eleições de 2022 quanto em 1994, quando o país passava por uma transição monetária após anos de hiperinflação. O candidato vencedor naquele ano, Fernando Henrique Cardoso (PSDB), tinha como principal plataforma o Plano Real – que controlou a inflação no país.

Ainda no campo econômico e social, o aumento da pobreza também deverá ser debatido. Programas sociais para erradicação da pobreza já vêm sendo estudados por pré-candidatos e o Planalto já começou a pagar o Auxílio Brasil, programa social que substituiu o Bolsa Família, no valor de R$ 400 mensais a famílias carentes. A aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios no Congresso garantiu espaço fiscal para que o benefício continue sendo pago no ano que vem.

“O que muda para a eleição de 2022 é que estamos em um grau de desgaste social muito forte causado pela pandemia, com aumento significativo da pobreza, ambiente inflacionário muito alto, a questão do desemprego em patamares elevados e tudo isso com a pandemia ainda muito recente na memória das pessoas”, afirma Cristiano Noronha, vice-presidente da consultoria política Arko Advice. “Esse debate sobre como foi enfrentada a questão da pandemia e os impactos econômicos e sociais que ela causou vão dominar muito o debate eleitoral”, opina.

3. Lava Jato e o Judiciário
Casos de corrupção movimentaram as eleições de 2018. As prisões do ex-presidente Lula (PT) e de vários políticos durante os anos da Lava Jato tiveram um impacto significativo na eleição de congressistas, governadores e do presidente Jair Bolsonaro, que abraçou a causa anticorrupção durante sua campanha e se mostrou como um candidato antissistema, distante dos partidos tradicionais que se viram envolvidos em escândalos.

Nas eleições de 2022, o tema promete voltar, mas em um contexto diferente e não com a mesma força. A Lava Jato acabou. Lula foi solto. Moro foi considerado parcial ao julgar o petista. E o anseio do eleitor por renovação arrefeceu.

Até mesmo a preocupação do brasileiro com o tema vem diminuindo ao longo dos anos, desde 2016, segundo pesquisas de opinião. Segundo a levantamento da Genial/Quaest, em dezembro de 2021 cerca de 10% dos entrevistados elencaram a corrupção como principal problema do Brasil.

Mas a presença dos principais personagens da operação – Moro e Lula – na corrida presidencial deverá, naturalmente, trazer o tema para o debate, ainda que estratificado em narrativas.

O pré-candidato Sergio Moro (Podemos) tem como principal agenda o combate à corrupção e usará seu histórico como ex-juiz da Lava Jato para criticar Lula, lembrando que o ex-presidente foi solto não porque foi absolvido, mas sim porque os processos foram anulados por questões técnicas. Assim, a tendência é que Lula tenha de abordar os casos de corrupção envolvendo o seu governo e o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Mas o contra-ataque do PT será apontar a parcialidade de Moro e exaltar as vitórias de Lula na Justiça, apoiando-se para isso em decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e no desgaste de Moro frente à opinião pública desde a série de reportagens que ficou conhecida como “Vaza Jato”, na qual foram divulgadas conversas entre o ex-juiz e membros do Ministério Público sobre a operação. O trabalho de Moro na Lava Jato, no auge da operação, era aprovado por 65% dos brasileiros, segundo o Datafolha. No começo de 2021, o porcentual havia caído para 45%.

O candidato do PT já vem afirmando há anos que é vítima de perseguição judicial – o chamando lawfare, um conceito bastante usado por políticos de esquerda da América Latina, como a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, para se defender em processos de corrupção.

8 dicas infalíveis para montar sua própria Startup

Procurando o que investir em 2022? Veja os potenciais negócios

Como identificar alertas falsos de vírus e malwares

Ainda nesta área, decisões judiciais também podem mobilizar eleitores. Os protestos de 7 de setembro são uma prova clara disso, quando milhares de apoiadores do presidente Bolsonaro saíram às ruas no Brasil para pedir o impeachment de ministros da corte. Eventuais decisões do STF e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante 2022, como a possibilidade de barrar candidaturas, têm potencial de mudar os rumos das eleições.

4. Democracia e liberdades individuais

Alguns temas tendem a movimentar eleitorados de determinados perfis ideológicos – talvez não tanto quanto em 2018, mas ainda assim, servirão para mobilizar as bases de apoio de candidatos à esquerda e à direita.

A preocupação com a democracia no caso de reeleição do presidente Bolsonaro é algo que já vem sendo trabalhado por seus opositores. O ex-candidato à Presidência pelo Psol Guilherme Boulos, que já indicou apoio a Lula em 2022, disse que a reeleição de Bolsonaro seria “a destruição da democracia brasileira”.

Na outra ponta do espectro político, o tema das liberdades individuais, que vieram à tona devido às restrições impostas por prefeitos e governadores por causa da pandemia, deve continuar relevante. Restrições de publicações nas redes sociais e prisões de apoiadores de Bolsonaro devem continuar sendo temas relevantes para o eleitorado do presidente, embora os analistas salientem que, de uma maneira geral, eles não devem influenciar na corrida eleitoral do ano que vem – a não ser que novos atos do STF e do TSE e novas restrições devido à pandemia deem fôlego ao debate.

“Liberdade de opinião e de imprensa estarão presentes, mas não são necessariamente temas que mobilizem a maior parte do eleitorado. Pode afetar nichos eleitorais, mas a grande massa está preocupada com os problemas que enfrentam no dia a dia”, afirmou Noronha.

 

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Como fazer tráfego pago no Facebook Passo a Passo (tutorial) Quer aprender fazer anúncios de tráfego pago no Facebook de forma correta? Leia nosso passo a passo. AGNC Marketing Digital

Como fazer tráfego pago no Facebook

Se você tem uma página de negócios no Facebook, recomendamos muito, certamente já ouviu falar em impulsionar ou fazer anúncios (tráfego pago no Facebook) diretamente

Leia mais »